Ocorreu um erro neste dispositivo

sábado, dezembro 30, 2006

Torneio de Matrecos - mais informação

Serve este post para informar todos aqueles que se inscreveram no Torneio de Matraquilhos da CPC (e também os interessados em assistir) que a CPC decidiu cancelar o mesmo Torneio, visto o número de inscritos não justificar a sua realização. Desde já pedimos desculpa aos que se inscreveram correctamente e a tempo.
.
Contudo, não desesperem porque outros torneios serão feitos. Esperemos, apenas, que com maior participação...
.
Com os desejos de um Próspero Ano Novo a todos os Caseguenses, em especial os sócios da CPC e os leitores do Casegas vai nua,
A Equipa da CPC
Casegas, 30/12/06
.
P.S.: Não se esqueçam de aparecer hoje e amanhã à noite na Casa do Povo para os festejos do Fim-de-Ano.

terça-feira, dezembro 26, 2006

Torneio de Matrecos na CPC

Enquadrado nas Comemorações do Fim de Ano, a CPC vai organizar um Torneio de Matraquilhos, não só como forma de dinamizar a nossa aldeia, mas visando também a compra de novas bolas para a mesa de matraquilhos da CPC.
O Torneio irá decorrer nos dias 30 e 31 de Dezembro a partir das 14h na sede da CPC. Todos os interessados podem inscrever-se até às 24h do dia 29 através do número 968.345.341 ou na sede da CPC.
.
Equipa Sócio-Sócio: 2 E.
Equipa Sócio-Não Sócio: 2,5 E.
Equipa Não Sócio-Não Sócio: 3 E.
.
Prémios:
1º lugar: 6 meses de quotização para cada membro da equipa
2º lugar: 3 meses de quotização para cada membro da equipa
.
O calendário de jogos será afixado dia 29 às 24h na sede da CPC e aqui no Casegas vai nua.

segunda-feira, dezembro 25, 2006

FESTA DE FIM DE ANO NA CPC

A Casa do Povo de Casegas convida todos os caseguenses, em especial os seus sócios, a comparecerem na sua sede nos dias 30 e 31 de Dezembro para as comemorações do fim de ano.
(clique na imagem para aumentar e saber mais pormenores)
DIA 30 - Concerto às 20:30 com a Banda Filarmónica de Casegas e Grupo de Cantares Sol Nascente, seguido de arraial e muita diversão.
Dia 31 - Convívio recheado de boa disposição, muitos petiscos e espumante.
Dê as boas vindas a 2007 connosco.

sexta-feira, dezembro 22, 2006

NATAL

NB: Com ou sem convicções religiosas, nos dias de hoje pouco sobra para um tempo genuino de celebração da vida. Mas vale apena ainda parar para pensar, para não deixarmos que este mundo transforme a quadra natalícia num fes-tival de consumismo.


É preciso, é necessário, urge
Que se renasça, se cresça
E que, enfim, o sonho continue a alimentar a vida...

E que Natal é hoje , a toda a hora,
Todos os dias devem ser de Natal,
E como tal, importante não é apenas estar,
É também ser! Sermos!...

É preciso, é necessário relançar o amor,
Fútil, é continuar a olhar para as pequenas coisas,
Só as grandes causas nos fazem renascer e crescer...

Urge, assim, que continuemos a sonhar,
Importante é mesmo amar,
Não temos alternativa!...
Por aqui passará muito do segredo da vida.

NATAL, SEMPRE !...

Tonho ( 22 de Dezembro de 2000)

quinta-feira, dezembro 21, 2006

convivio do Casegas vai nua...

Já que o Asno anda meio apagadito, gostaria de lançar aqui uma ideia: e que tal uma jantarada ou convivio do Casegas vai nua na próxima semana?
Pedia-se autorização ao Rui Jorge e fazia-se qualquer coisita na CPC. Podia promover-se a realização de um sarau que englobasse não só o convívio mas também uma pequena tertúlia sobre os maleficios/beneficios da blogosfera. Além disso, sempre seria uma forma de arranjar mais uns gravetos para a CPC.
Um convivio de amigos e inimigos do Casegas vai nua, para anónimos e "assumidos". (nota: o convivio não implicaria a revelação da verdadeira entidade de todos aqueles que usam pseudonimos!)
Bem, fica aqui a ideia... (quero ouvir essas opiniões!).

JC sempre em grande!


Lázaro

A multidão aproxima-se e vê Jesus que está a chamar Lázaro.

— Lázaro! Levanta-te, Lázaro.

E Lázaro, nem liga nem se mexe.

— Lázaro! Levanta-te, Lázaro — repete Jesus.

E nada de Lázaro se levantar.

— Lázaro! Levanta-te, Lázaro. A malta tá toda aqui à tua espera.

E nada...

Então Jesus vira-se para a multidão que a tudo observa com ansiedade e, decepcionado, diz:

— Desculpem lá malta. Desta vez, ele morreu mesmo.


Crise

E o legionário romano urra para Cristo que estava na cruz:

— Ó meu vê lá se tás quieto e juntas os pés que este aqui é o último prego!


Naquele tempo...


... estava Jesus a pregar na Galiléia quando Ele viu seus fiéis seguidores João, José e Simões. E Ele viu que era hora de ser homenageado por eles edisse-lhes:

— Beija-me a mão, João.

E João beijou a mão de Jesus.

— Beija-me o pé, José.

E José beijou o pé de Jesus.

— Simões! Ó Simões! Volta aqui, Simões — falou Jesus decepcionado com seu fiel seguidor Simões.

Então é Natal...

O Natal é, sem qualquer dúvida, uma das maiores celebrações do ano! Talvez por este motivo está hoje em dia muito mediatizado e tem vindo aos poucos a desviar-se daquilo que realmente representa dando lugar, entre outras coisas, a um consumismo infernal!

A Celebração do Natal antecede o cristianismo em cerca de 2000 anos.
Tudo começou com um antigo festival mesopotânico que simbolizava a passagem de um ano para outro, o Zagmuk.
Para os mesopotânios, o Ano Novo representava uma grande crise. Devido à chegada do inverno.

A Mesopotâmea, chamada de mãe da civilização, inspirou a cultura de muitos povos, como os gregos, que englobaram as raízes do festival.
Mais tarde, através da Grécia, o costume alcançou os romanos, sendo absorvido pelo festival de nome Saturnalia (em homenagem a Saturno). A festa começava no dia 17 de dezembro e ia até o 1º de Janeiro, comemorava-se o Solstício do inverno. De acordo com seus cálculos, o dia 25 era a data em que o Sol se encontrava mais fraco, porém pronto para recomeçar a crescer e trazer vida às coisas da Terra. Durante a data, que acabou conhecida como o Dia do Nascimento do Sol Invicto, as escolas eram fechadas e ninguém trabalhava, eram realizadas festas nas ruas, grandes jantares eram oferecidos aos amigos e árvores verdes - ornamentadas com galhos de loureiros e iluminadas por muitas velas - enfeitavam as salas para espantar os maus espíritos da escuridão. Os mesmos objectos eram usados para presentear uns aos outros.
Apenas após a cristianização do Império Romano, o 25 de dezembro passou a ser a celebração do nascimento de Cristo. Conta a Bíblia que um anjo, ao visitar Maria, disse que ela daria a luz ao filho de Deus e que seu nome seria Jesus.

Na antiguidade, o Natal era comemorado em várias datas diferentes, pois não se sabia com exatidão a data do nascimento de Jesus. Foi somente no século IV, que o 25 de dezembro foi estabelecido como data oficial de comemoração.

As antigas comemorações de Natal costumavam durar até 12 dias, pois este foi o tempo que levou para os três reis Magos chegarem até a cidade de Nazaré e entregarem os presentes ao menino Jesus. A simbologia da entrega de prendas actualmente está relacionada com as oferendas dos reis Magos.
Do ponto de vista cronológico, o Natal é uma data de grande importância para o Ocidente, pois marca o ano 1 da nossa História.

E a Árvore de Natal e o Presépio??

Acredita-se que esta tradição começou em 1530, na Alemanha, com Martinho Lutero. Certa noite, enquanto caminhava pela floresta, Lutero ficou impressionado com a beleza dos pinheiros cobertos de neve. As estrelas do céu ajudaram a compor a imagem que Lutero reproduziu com galhos de árvore em sua casa. Além das estrelas, algodão e outros enfeites, ele utilizou velas acesas para mostrar aos seus familiares a bela cena que havia presenciado na floresta.
Actualmente as árvores de Natal estão presentes em diversos lugares, pois além de decorar, representam um símbolo de alegria, paz e esperança.

O presépio também representa uma importante decoração. Ele mostra o cenário do nascimento de Jesus. Origem principal destas festividades. Esta tradição de montar presépios teve início com São Francisco de Assis, no século XIII.






E o Pai Natal??

Estudiosos afirmam que a figura do bom velhinho foi inspirada num bispo chamado Nicolau, que nasceu na Turquia em 280 d.C. O bispo, homem de bom coração, costumava ajudar as pessoas pobres, deixando saquinhos com moedas próximas às chaminés das casas.


A associação da imagem de São Nicolau ao Natal aconteceu na Alemanha e espalhou-se pelo mundo em pouco tempo. Em 1881, uma campanha publicitária da Coca-Cola mostrou o bom velhinho com uma roupa nas cores vermelha e branca (as cores do refrigerante) e com um gorro vermelho com pompom branco. A campanha publicitária fez um grande sucesso e a nova imagem espalhou-se rapidamente pelo mundo durando até hoje.

E a comida??

O final do mês de Dezembro era a época perfeita para celebrações na maior parte da Europa. Neste período do ano muitos do animais criados nas fazendas eram mortos para poupar gastos com alimentação durante o inverno. Para muitas pessoas esta era a única época do ano em que poderiam dispor de carne fresca para sua alimentação. Além disso, a cerveja e o vinho produzidos durante o ano estavam fermentados e prontos para o consumo no final do inverno.



A história do natal é controversa desde o início. Muitas das celebrações que deram origem ao feriado cristão eram práticas pagãs e, por isso, eram vistas com maus olhos pela Igreja Católica. Hoje, as tradições de Natal diferem de acordo com os costumes de cada país, de qualquer modo continua a ser uma grandioza festa!

FELIZ NATAL

terça-feira, dezembro 19, 2006

Conto alusivo à comemoração mais hipócrita do ano


Ceia de burro em noite de Natal

Era um burro grande. Grande e sereno. Meio assim parecido comigo, atrelado a esta carroça de lixo que é a vida, recolhendo detritos, farrapos de sentimentalismo, de recordações, de recordações...E madrugador também, burro namorando estrelas lá no Paraíso. O Paraíso é alto. Tem um jardim lá não muito edênico. Não tem cravo, nem nardo, nem cinamomo. Mas tem um jardim que se chama praça e que dá muito asfalto na primavera. As maçãs do Paraíso custam muitos cruzeiros. E a tantos cruzeiros, qualquer pecado é inflacionário. O Paraíso não tem cobras. Tem pneumáticos, que nada têm a ver com serpentes. Áspides escravizadas a pernas que rodam e de que o mundo moderno cortou a cabeça.Mas o burro estava ali, velho, velho, sereno, sereno, e não entendendo nada do Paraíso. Que é que é Paraíso para um burro? É um lugar cheio de luzes e de fantasmas, que passam rolando e desprendendo cheiro de gasolina. Ah... se ele pudesse, numa madrugada dessas, comer os brotinhos bem tenros do jardim! Paraíso, para o meu burro, é lugar que se faz em três paradas. É sempre longe dos canteiros verdes.E caminhando assim pela madrugada, o burro antigo lá vai, namorando a amplidão. Que se todas aquelas estrelas fossem feitas de capim gordura, o velho atrelado à carroça de lixo sofreria mais que todo mundo, só de olhá-las sem poder comê-las... Mas estrelas são de um azul claro. E claro não tem prestígio pra burro, como o tem aquela vegetação saborosa da praça, depois da chuva.E há sempre três paradas. Uma na esquina da Sears, outra no meio da praça que se chama Osvaldo Cruz, mas que para o burro é bem mais cruz que Osvaldo.Entretanto, hoje há uma novidade nas paradas do Paraíso. É que ali, no meio da praça, justamente no segundo “ôhhh” do lixeiro, há uma árvore de Natal. Uma árvore de Natal de um verde novo, lembrando assim aquelas saladas de capim mimoso que o burro se acostumou a comer na distante infância de burrinho.E, então, o burro sereno, o burro manso e nunca farto, começou, tranqüilamente, a comer a árvore de Natal. É justo, é razoável, é um bálsamo aos vinte anos que ele cruza pela mesma praça sem nunca ter tido seu prêmio. A recompensa aí está. Uma árvore de Natal deve ser um grande pitéu para um burro de fomes confusas.Mastigar árvores de Natal é espiritualizar-se. Que gosto teria? Sei lá. Pergunte ao burro. Deve ter gosto de Papai Noel ou de lágrima de Menino Jesus.Não me perguntem mais, porque eu não como árvores de Natal. Como um prosaico pão com queijo toda madrugada, que sempre tem gosto de estopa ou de papel almaço.

Osvaldo Molles

quarta-feira, dezembro 13, 2006

Rota dos Ganhões 06, as fotos...













Há fotógrafos e fotógrafos...um regalo para a vista!
Foram enviadas por um amigo do Á Manjedoura, que participou na caminhada. Seu nome, Pedro Seixo Rodrigues(visite o site!) , a quem agradeço pelo envio das fotos.
O trabalho fotográfico deste jovem arquitecto foi já elogiado pela nossa conterrânea fotógrafa, de mérito internacionalmente reconhecido Carmen Tomé, e não posso deixar de concordar com ela, tem de facto fotos exelentes!
Voltem sempre a Casegas, espero que tenham gostado!

sexta-feira, dezembro 08, 2006

Parece que 5000 assinaturas não chegam...

Água Pública
5000 assinaturas, 5000 cidadãos.

Infelizmente, parece que neste nosso Portugal 5000 cidadãos num concelho de reduzida dimensão (como é o da Covilhã!!) é o mesmo que nada!

Mais grave ainda é o que o Sr. Presidente (deixem-me trata-lo assim antes que leve com um processo) se prepare para levar a cabo uma medida política que não foi sufragada pelo povo.

Aposto que
me recebiam logo se eu fosse lá a dizer que queria construir um shopping no sítio x ou comprar uma parcela de água à CMC.


Quinta-feira, Dezembro 07, 2006

Na terça-feira dia 5, entregámos 5000 assinaturas que exigem o fim do processo de privatização da Águas da Covilhã. Apesar da insistência de todos os representantes do movimento que puderam estar presentes, ninguém nos recebeu do gabinete da presidência!

A acompanhar as 5000 assinaturas seguiu o seguinte ofício:

Movimento de Cidadãos
A água é de todos!
Não é negócio só de alguns!
Não à privatização da água!

www.aguapublicacovilha.blogspot.com

Exmo Sr.
Presidente da
Câmara Municipal da Covilhã


Exmo Senhor Presidente,
No passado dia 6 de Novembro, um conjunto de cidadãos reuniu-se junto à sede da Empresa Municipal Águas da Covilhã (ex-SMAS), expressando o protesto público contra a intenção municipal de privatização da água.

Nesse dia foi ainda anunciada a finalidade desta iniciativa cívica, traduzida na promoção junto da sociedade covilhanense de um abaixo-assinado, cujo objectivo visa reclamar do poder público municipal o fim do processo de privatização e a manutenção da gestão da água sob controlo integralmente público.

Ao longo de várias semanas, este impulso cívico, aberto e plural, contactou milhares de covilhanenses e pessoas que aqui estudam, trabalham e residem, esclarecendo, debatendo e informando. Desse enorme trabalho recolhemos a opinião e o sentir de milhares e milhares de cidadãos que expressaram o seu profundo descontentamento e a sua indignação face às intenções municipais.

Falámos e ouvimos. Ouvimos milhares de pessoas transmitirem-nos de viva voz a crescente dificuldade de pagar a pesada “conta” da água; dos problemas da qualidade da mesma; do injusto tarifário; da inaceitável multa que é cobrada por um dia de atraso no pagamento da factura; dos serviços que antes eram prestados gratuitamente e que hoje o deixaram de ser, etc...Contudo, na sua esmagadora maioria, as pessoas manifestaram a sua firme condenação à decisão de privatizar a água, cientes de que esse é um caminho que, a ser trilhado, não só não tem retorno como abre portas a maiores dificuldades e desigualdades no acesso a um bem essencial à vida, como é o abastecimento de água potável.
Vezes sem conta, foi-nos expressa a convicção de que é ao poder público, neste caso, ao município no seu todo, sociedade incluída, que cabe a responsabilidade de assegurar uma gestão pública, democrática e de qualidade, garantindo que a água chega a todos os cidadãos em quantidade e qualidade, independentemente da sua condição económica e social e da sua localização geográfica.

Estas primeiras cinco mil assinaturas, recolhidas em menos de 1 mês, simbolizando e traduzindo uma vigorosa chamada de atenção, um forte sinal de descontentamento, são igualmente uma condenação inequívoca à decisão de privatizar a água. Perante este facto, o poder municipal não pode ficar indiferente.

É pois neste sentido que formulamos a V.Exa e ao Órgão que dirige, Câmara Municipal, a exigência cívica de pôr termo ao processo de privatização, mantendo sob controlo integralmente público a gestão da água, que pertence e deve continuar a pertencer a todos os covilhanenses.

Covilhã, 5 Dezembro de 2006

quinta-feira, dezembro 07, 2006

Rota dos Ganhões e exposição de artesanato

E agora o cartaz da exposição de artesanato que a CPC irá promover no mesmo fim de semana da Rota dos Ganhões na sua sede. Venham visitar!!!


E aqui o cartaz da Rota dos Ganhões. Ajudem a CPC, ajudem Casegas, participem!!!


Inscrições na sede da CPC, pelo e-mail casegasourondo@portugalmail.pt ou através do número 938524865.

sábado, dezembro 02, 2006

Casegas à deriva


Casegas completamente abandonada!
Idosos, aparentemente vão ser abandonados pela direcção actual, está já marcada assembleia geral para nomeação de direcção. Será o Centro de Dia e Lar entregue à Santa Casa da Misericórdia? Para onde iremos nós mais os nossos "velhotes" um dia? Para "cascos de rolha"?

Açudes, pontões e estradas mal construídas e/ou sem projecto (ou seja, obras de chico-esperto), jazem no leito da ribeira.
Máquinas que “construíam” (ou destruíram, vamos ainda ver) a estrada Paúl> Casegas, eclipsaram-se. Ainda ontem estive em cima da ponte do Ourondo para ver avistava alguma retro escavadora ou cilindro levados pelas cheias, mas não, devem ter ido mesmo pelas próprias rodas. Ainda estou a ver a hora em que se dá um acidente no lamaçal que deixaram na curva do Ribeiro das Maias.

Os jovens sem norte vão vagueando pelos cafés ou pelas instituições recreativas e culturais que definham, onde erosão causada pela ausência de apoio do poder local é evidente. Uns acabam o 9º ano, outros ficam pelo caminho ou fazem-se à vida “para serem homens” e ganhar uns trocos beber umas cervejas e comprar uns “marbors” (quando não os roubam)!
Longe vão os tempos em que havia o clima na aldeia de era importante ser doutor ou padre, enfim, concluir o ensino superior.
Que é feito da mística e do orgulho em dizer-se: “-Casegas é talvez a aldeia com mais gente formada do concelho”?
Não podemos todos trabalhar nas obras ou ser empreiteiros, até porque longe vai o tempo em que esta actividade teve melhores dias e trouxe melhores futuros!

Não terá o poder local responsabilidade nisto tudo? Onde estão as politicas para os jovens? A Cultura resume-se ao Grupo de Cantares (para os idosos e bem)? Que futuro prepara esta gente para Casegas? Estamos condenados ao abandono? Não querendo fazer futurologia, mas avisto num futuro próximo uma aldeia transformada em colónia de emigrantes reformados.

É desolante ver a nossa linda aldeia irresponsavelmente alienada á bicharada, onde reina a incompetência, o desvario e a politica obsessiva (à falta de mais visão e talento), do passeio e do muro, exercida por um poder moribundo e obsoleto que outrora se pavoneava rua abaixo e rua acima que nem um galo capão.

Se chamar a isto tudo "dizer mal", então esconda-se, pois a sua cumplicidade e conivência, envergonha quem aínda se preocupa com a terra.

Dá que meditar...

quinta-feira, novembro 30, 2006

Curiosidade...já Bento Jesus Caraça escolhia a Ribeira de Casegas como retiro de descanso


"...A Serra da Estrela, em particular a Vila de São Romão, constituiram para o Mestre como que as musas de inspiração e um dos seus retiros de descanso físico e psíquico, análise social e reflexão. Apaixonou-se pelas paisagens, gentes e suas condições de vida, recursos naturais e qualidade ambiental. Ao longo de mais de 20 anos, era frequente vê-lo em várias épocas do ano, inicialmente em Seia, depois sempre na Vila de São Romão onde se hospedava na Pensão Reis, ou na Pensão Estrela d`Alva, Senhora do Desterro, na contemplação da Cabeça da Velha, pelos caminhos do pastoreio, nas serranias, em povoações esquecidas como Sobral, Bodelhão, Erada entre outras, nas obras da Barragem da Lagoa Comprida, nas ribeiras - por exemplo de CASEGAS -, nas fragas e na sua amada Lapa dos Charcos."....

in: http://cgtp.pt/bjc/testemunhos/dobreira.htm

segunda-feira, novembro 27, 2006

O meu primeiro...

Foi com muito gosto que aceitei, a convite do Asno, ser contributor neste blog! Claro que peimeiro tive que me fazer um pouco ao piso... sim que isto não é pra todos... lol Bem agora a sério, porque isto é um blog sério, vamos lá falar de outras coisas.
A minha primeira aparição no blog foi por alturas das primeiras cheias deste ano, não que eu não fosse já um leitor fiel do blog há algum tempo, mas foi a primeira vez que me dignei a dar a minha opinião sobre um assunto falado no blog. E aqui vai o primeiro ponto sério, o primeiro apelo do meu primeiro post: Minha gente deixem-se de vergonhas e medos e toca a comentar! ou melhor... a "urrar". Deixem aqui registada a vossa opinião! Não deixem que se digam coisas mal contadas, ou mostrem o outro lado dos factos... Sim porque um asno tem dois olhos mas ás vezes as palas de burro podem deixa-lo só a olhar numa direcção!
Voltando ás cheias... estamos na altura delas e parece que esta semana foram mais que muitas por aí... os srs mirones é que tiveram pouca sorte desta vez... é que com a chuva que não parou de cair e o vento forte que se fez sentir, não houve vivalma que se atrevesse a ficar a olhar pros rios e ribeiras... Mas lá estragos houve... e de que maneira! Por isto aqui vai o segundo apelo do meu meu primeiro post: venham de lá essas fotos das cheias porque as queremos mirar como deve ser... é que desta vez foram poucas as oportunidades para isso. Vamos lá fazer uns mirones felizes... até está a chegar o Natal e tudo... Mirones e a mim também que eu bem que queria ver essas fotos!
Bem é melhor não pedir mais nada por enquanto...

Um abraço do Manuel

quarta-feira, novembro 22, 2006

Momento de reflexão

Queria aproveitar para lembrar, que toda a gente pode fazer comentários aos posts, clicando em "urra aqui", a não ser que alguém tenha como objector de consciência o acto de urrar.

sábado, novembro 18, 2006

Prémio "Orelhas de Burro da Semana"


As Orelhas de Burro desta semana vão para o senhor que proferiu a frase infeliz:

“- Na Casa do Povo, estavam lá uns comunistas e agora foram para lá outros“

É triste depositar confiança política em pessoas e elegê-las para dirigir os destinos da aldeia para depois termos decepções destas. Este senhor, em vez de fomentar a união e o espírito de entreajuda na aldeia, como lhe compete, semeia a discórdia, a intriga e o fascismo desrespeitando a pluralidade de ideias. Muito feio senhor “capataz”! Esta frase em nada me surpreende, pois este senhor é o mesmo que há uns tempos, em campanha eleitoral, ameaçou os idosos do Centro Dia, urrando a não menos infeliz boçalidade: “Se não votarem em nós o Centro Dia fecha”. E isto para quê? Para que hoje, não apresentar lista ao centro dia (corrijam-me se estou errado), e depararmos com a instituição na eminência de passar para as mãos da Santa Casa da Misericórdia!!!

Para onde irão os nossos idosos passar o resto dos dias?

Não querendo ser bairrista ou desumano, gostaria de lembrar que o centro dia, mal chega para as encomendas e que uma vez que esta instituíção passe a ser propriedade da Santa casa, já não há volta a dar!

Vamos alienar o trabalho de todos os que deram o seu contributo, para que o Lar/ Centro dia fosse uma realidade?

Porquê tanto sigilo com as eleições do Centro Dia. Já explicaram aos sócios as vantagens ou desvantagens de o Lar/Centro dia ser alienado?

Mas que espécie de gente é esta?

Pergunta o Almocreve há uns posts atrás pelo animador cultural…será que a figura do animador cultural só foi importante enquanto serviu para arranjar “tacho” a uma familiar (hoje emigrada, logo já não é preciso animador para os idosos, vão matando umas moscas), que fugia pelas traseiras cada vez que a instituição era visitada pela assistente social?

Mas quem os vê no "vuc vuc" do dia a dia, até os confunde com missionários cambonianos...Ai ai...se não fossem as coitadas das funcionárias a carregar a instituição ás costas, havia de ser o bem bonito....Tanta incompetência....




Vês pobre "Capataz", assim como tu não deixaste respirar os jovens que tomaram corajosamente as rédeas da associação, também eu não te deixo respirar a ti!
Não se vê na atitude da direcção qualquer associação com partidos políticos, mas esta besta bípede membro do movimento "badamerdaseternamentecontratudooquemeche" (citado há dias pelo atumnespereira), com os seus óculos de quatro dimensões, tinha de urrar desta forma!
Ainda agora começaram a trabalhar e já andas a tentar cortar as pernas aos jovens, mas tu ainda bem que as tens, pois tal como dentro areias movediças, quanto mais esperneias, mais te enterras! Estou de olho em ti
.



Parabéns, estas orelhas são bem merecidas!

sexta-feira, novembro 17, 2006

Nova rúbrica: "Burro de Ouro". Trata-se de premiar os melhores comentários da semana

Os premiados são os seguintes:


<<> Honra seja feita ao MANJEDOURA,pois é dos poucos que vejo com vontade de mudar.É dinâmico,criativo, empreendedor e acima de tudo dignifica a nossa terra,promovendo a sua cultura ,as tradições,como é este recente evento-O Concurso de Jeropiga.Os meus sinceros PARABÉNS,pois apesar de apontar o dedo Luta para melhorar.>>
[Comentário dum anónimo(infelizmente) no post "ó snhor prsdaint..."]

"
Dos "badamerdaseternamentecontratudooquemeche", o melhor é deixa-los sem resposta. Nao vale a pena."
(Comentário do atumnespereira no
post A melhor Jeropiga(cobertura diário XXI)"A melhor Jeropiga...só para a polémica")

<
Em relação a politicas, essas nunca se podem por de lado, pois estão sempre presentes no nosso quotidiano, mas há quem queira misturar as coisas...Exeptuando o caro anónimo, e um senhor cujo ao comportamento pouco democrático já nos habituou há muito, urrou ao tomar conhecimento da nova direcção:
"-Saíram de lá uns comunistas, foram p´ra lá outros."
Exeptuando os dois, aínda não me chegou aos ouvidos tais alusões, nem teem nada que chegar!
Só tenho a lamentar que esse senhor seja tão casmurro e resta sugerir-lhe que faço os acertos com o 25 de Abril, pois anda desactualizado ou parou no tempo ao emigrar.
Se a sua postura é tão atrasada, então também deve lembrar-se dos provérbios antigos, como por exemplo:
"-Cada um faz a cama em que se deita" ou aínda "quem pega com quem não bole, quer que lhe toquem no fole"
comentário do A Manjedoura no post "A Melhor Jeropiga ...Só para a polémica")

"A banda desde saíu da casa do povo, parece a "turma da luluzinha", tem um casa na floresta com um placa a dizer: "Menino não entra"."
Isolaram-se...depois admiram-se de não terem os concertos que desejariam ter
( Comentário de Musco Velho no post do Zé Tó Calhondra "A melhor Jeropiga...Só para a polémica")

<
Talvez uma das últimas vezes que por cá andou foi para pedir ao falecido Padre Nicolau um manuscrito/livro de grande valor para a nossa Paróquia numa altura em que preparava a sua tese de Doutoramento e que parece se ter esquecido de o devolver. E querem saber quem mo disse ? O Sr Padre Nicolau num quarto do Hospital Amato Lusitano em Castelo Branco nos seus derradeiros dias de vida. E querem saber quem era o Pároco na altura rresponsável pela nossa Paróquia ? O também falecido Padre Ardérius a quem comuniquei o facto. Talvez o Sr Dr. se lembre que é altura de o devolver pois não sei se já o teria feito.>>

(Comentário de Joaquim até ver no post do artigo de Arnaldo Saraiva)

JEROPIGA CONTINUA A DAR QUE FALAR....

CLIQUE AQUI PARA VER A NOTÍCIA

quarta-feira, novembro 15, 2006

Sobre terroristas que fazem obras mal feitas com dinheiros publicos e outros

Clique na setinha para activar o video

Quando os notáveis davam valor à terra escrevíam assim:


(...)Contrariando as ordens do Vaticano, a Ressureição chegava a Casegas nas manhãs de Sábado.
Ás dez em ponto, os sinos, durante dias silenciados, atiravam para o vale os primeiros sinais de festa, e a garotada corria para o adro com as campaínhas e os chocalhos que na véspera retirara ás cabras, às ovelhas e aos bois, ou arrancar de alguma porta, de casa ou curral.(...)


Clique aqui para ler todo o artigo

Aínda o dilúvio...

Pontão do Fernambuque...
Faz lembrar a tragédia de Entre-os-Rios




Só tenho um cursosito de Op.Construção Civil e morei com os meus amigos estudante de eng. Civil 5 anos e daí também trouxe umas "luzitas", mas permitam-me que diga que os muros de suporte estavam mal feitos o pontão devia "morrer" mais longe. Obrigava claro, a um outro tipo de estrutura e fundações, que passaria por suspender o pontão em pilares para que se pudesse prolongar a ponte desta forma nos dias de maior caudal não aconteceria o que aqui aconteceu.
É claro que é muito mais fácil e económico (à primeira vista) dizer: "Ah e tal, fazemos aqui um pontãosito, assenta ali nas barreira e não se gasta muito dinheiro", pois é, agora está o resultado à vista, uma ponte e os muros destruídos pela água estrangulada e um monstro de alcatrão no fundo da "Dorna".
Só espero é que a culpa não morra solteira como o caso de Entre-os-Rios e se peçam responsabilidades a empreiteiros, engenheiros ou a quem de direito, porque senão, é mais uma para as cangalhas do Zé Povo, como diria o Asno.

terça-feira, novembro 14, 2006

A melhor jeropiga... só para a polémica

Bem, antes de mais gostaria de dizer que o concurso/magusto foi espectacular! Reflectiu inovação, dinamismo e muita preserverança da parte da nova direcção da CPC. Espero que isso não se perca com o tempo! Gostaria também de salientar a participação especial do escritor Gabriel Raimundo, que ajudou a abrilhantar a festa. Adorei!! Para o ano estou lá caído outra vez!

Pena foi a fraca assistência das gentes de Casegas. E é precisamente disso que venho aqui falar: dos velhos do restelo que do fundo do seu poço invejam todos aqueles que tentam sair de lá! Escrevo revoltado, porque os zunzuns acabam sempre todos por chegar à ribeira e até uma Calhondra tem limites.

Passo a explicar, como se não bastasse a conversa do costume, ainda tentam boicotar/gozar com a iniciativa. Porra, isso é de uma pessoa subir aos arames!

Trocando por miúdos: primeiro há aqueles que dizem "xii não tenho tempo" ou "oh, tão caro", mas depois na semana seguinte organizam exactamente uma iniciativa do mesmo género, com o mesmo preço. Mas dizem vocês: "o magusto da banda inclui almoço". Ao que eu respondo: e a iniciativa da CPC incluiu magusto regado com jeropiga, jogos tradicionais, caldo verde, apresentação de um livro e é claro um concurso (incluiu prémios) que procurou valorizar uma mais-valia regional e combater a crescente desertificação da nossa aldeia. Sopesando a balança o que é que dá?: sinceramente não sei, apenas me parece que algumas das pessoas que criticaram o preço vão comer de borla no magusto da banda... Aposto que se a iniciativa da CPC fosse à borla estavam todos lá caidos (são dos tais que para comer à borla são sempre os primeiros a chegar)

Depois há os típicos velhos do restelo que vivem somente para falar da vida dos outros e cuja felicidade reside na "destruição" de tudo o que é feito por outros. A participação estava aberta a todos, não precisam de andar a enviar jeropigas por portas travessas, como quem diz: "provai ai que isso é que é uma pomada! só não fui porque não tenho tempo". Mesmo que depois passem os dias a coçar a micose.

Parece que há pessoas que só querem ver a CPC pelas ruas da amargura. Muitos dos quais até se esquecem que antes de eles terem os seus próprios tascos, já existia na CPC um bar aberto a toda a população.

Caminhada "Rota dos Ganhões"


A Casa do Povo de Casegas vai organizar a caminhada anual da "Rota dos Ganhões" no próximo dia 10 de Dezembro. Durante o trajecto haverão também vistas a algumas figuras rupestres e contaremos para o efeito, com acompanhamento arqueológico.
Durante esse fim de semana haverá também uma exposição de artesanato com demonstração de pintura em porcelana e outros. A artesã é a Belmontense Graciela Costa
Disponibilizaremos mais informação brevemente!
Entretanto aponte a data na agenda!

"A melhor jeropiga" (cobertura Diário XXI)