Ocorreu um erro neste dispositivo

terça-feira, junho 26, 2007

Festa de São Pedro

Petiscos: Amêijoa à Bulhão Pato, Dobrada, Salada de Polvo, Burlhões, Sardinha assada e Caldo Verde

Rota arqueológica (finalmente)

Peço desculpa pela demora, mas isto sozinho não é fácil e cada vez há menos quem queira ajudar, por outro lado, tenho andado com dificuldades em carregar fotos, mas agora com o "Picasa" isto é sempre a andar. Por enquanto são só estas, mas tenho na minha posse muitas mais. Eunice, para e próxima envia para o asno.casegas@gmail.com, é capaz de ser mais rápido. Por enquanto coloco estas, mas posso disponibilizar o resto das fotos a quem já enviei convites há semanas (3 pessoas salvo erro), para contribuírem no blog das Caminhadas, para que sejam visualizadas em maior número. Terei todo o gosto em explicar como se faz.
Já sabem, para aumentar, cliquem sobre as fotos!


Zé Neves e Otilia não falham

A fotógrafa (estas estavam melhores Eunice)
"Bolas, esquecem-se sempre de mim!"
"Hounn?"
O batalhão

Vá lá dê um pedaço ao cão, não seja assim...

quarta-feira, junho 20, 2007

Os Alcoviteiras, uma espécie em expansão

Os Alcoviteiras

Anda por ali entre o cruzamento e o muro da ribeira uma nova espécie de alcoviteiras, contrariando a tendência natural predominantemente feminina, estes alcoviteiras, são muito “machos”.
E machos entre aspas porquê?
- Porque só são machos para o que não presta: Alcovitar, mexericar, coscuvilhar, minar, invejar, caluniar, injuriar, difamar, baboseirar, etc. Enfim, estava aqui o dia todo…Formas de estar na vida no reino dos “Bardamerdaseternamentecontratudoquemexe”, classificação taxonómica atribuída pelo atumnespereira há uns tempos atrás. O atumnespereira, para quem chegou mais atrasado, é um dos nossos contributors, afastado por questões técnicas e profissionais (regressa brevemente), que também se dedica ao estudo científico destes estranhos bichos semi-racionais.

Há várias espécies mas vou tentar descrever aqui algumas delas muito sucintamente, Os “Pançaintchada-Viperinus” atacam ao fim de semana, de dia com pés de veludo e durante a noite à medida que vai amanhecendo, com pés de chumbo. Estes seres nómadas andam sorrateiros, de café em café, escondem-se normalmente atrás de um jornal a ver os desenhos, e vão folheando enquanto lançam olhares de raposa manholas, sorrateiramente sob a linha do horizonte da página. Frustrados pela sua nula utilidade, deprimem-se e têm crises alimentares, vai daí que saem de toca e vão à caça! Alimentam-se de informação extraída às suas presas, armazenando a excedente no ventre, que se apresenta sempre notoriamente inchado, para utilizarem na criação de nova informação sempre que haja escassez desta. Laboram todo o dia, sugam num pouso saltam para outro, e ao final da jorna fazem banquetes de alcoviteirices com os “semi-raconais” da mesma família. Autenticas orgias! Lindo de se ver!

O comportamento dos “Delirius-Inconformatus” é um pouco diferente, com genes aracnídeos, esta espécie sedentária de Alcoviteira do reino dos “Bardamerdaseternamentecontratudoquemexe”. Apesar viverem deprimidos com receio de morrerem virgens, os Delirius-Inconformatus, são bastantes activos, reparem:

Alimentam-se fundamentalmente de informadores, dos quais são completamente dependentes a apresentam também uma natural tendência para ganhar raízes que têm de ser aparadas periodicamente. Atraem as vítimas com um composto de cevada, agarra-se a eles, vai construindo a sua teia onde instrui as presas para actuarem em motins e provocar estados caóticos, faz um fio aqui, um fio acolá…muito sorrateiramente...normalmente ao fim de semana já tem a teia armada. Instala-lhe um detonador, espera pelo momento certo…e CLIC, carrega no botão e lá vão as presas eufóricas todas desvairadas por ali a fora a espalhar a desordem por todo lado de pistola em punho a dar tiros nos pés enquanto que os “Delirius-Inconformatus” se congratulam com regozijo orgásmico.

Pelo contrário os “Pançaintchada-Viperinus” são pais passivos, bem como uma outra espécie que fica para um outro episódio: A espécie “Bezanisfumusbufatutis” de língua bífida, contudo, não menos perigosos.

Cuidado com eles, apesar de aparentemente inofensivos, podem causar mazelas ou tornar-mo-nos num deles se não estivermos vacinados! Esta análise é uma das vacinas, é um genérico "Chamensan Bovinal Plosnomesicina".


Vou dedicar a estes simpáticos seres um destes azulejos pirosos que a minha mãe espalha aqui por casa:


Ou Deus ou seja quem for...

domingo, junho 17, 2007

« A LIBERDADE VIGIADA»

António Balbino Caldeira, o autor do Blog "Do Portugal Profundo" foi constituido arguido, por ter sido o primeiro a falar no caso da licenciatura do Senhor primeiro-ministro. Recentemente o Director e jornalista do Jornal do Fundão, Fernando Paulouro das Neves, sobre o autoritarismo e o medo que começa a afectar muitos portugueses, abordou o tema em artigo importantíssimo, a "LIBERDADE VIGIADA", publicado no jornal de 31 de Maio, onde o próprio jornalista se interrogava: " VOLTAREMOS AO TEMPO DA IRONIA OCULTA OU EM VOZ BAIXA PARA NÃO INCOMODAR SUAS EXCELÊNCIAS".
Consideramos importante, não apenas para os autores dos blogues com rosto, mas para todos nós portugueses que se leia e se reflita sobre o artigo "OS BLOGUES E O VERDADEIRO PORTUGAL PORFUNDO" escrito por José Martins, referência que o EXPRESSO destaca esta semana ,mas publicado no blog do referido semanário, One web Show.

"Ainda há pastores" imparável

O documentário realizado nas encostas da Serra de Estrela não pára de arrebanhar prémios, desta vez foi no FICA (Festival Internacional de Cinema e Vídeo), no Brasil. Um filme a não perder!
Vou deixar aqui um pedacinho para espevitar:

sexta-feira, junho 15, 2007

O Areias (nova versão)

Nova versão, mas do camelo...


Utilize o botão de pausa (") para parar o filme caso pretenda ler alguma imagem

quarta-feira, junho 13, 2007

Em relação ao Post anterior...

...não me surpreende e até era para fazer de conta que nada disto existiu, mas por causa do barulho das luzes, aqui vai!

Só faltou dizer que:
- Não houve concerto na Casa do Povo!
- A Casa do Povo não esteve à disposição para servir o lanche no lameiro, acolhimento dos atletas e entrega das medalhas!
- A Casa do Povo não pôs à disposição os seus balneários, para que os atletas tomassem banho, uma vez que estava previsto irem tomar banho ao Pavilhão do INATEL à Covilhã, mas os atletas devem ter achado absurdo (penso eu de que...)!
- Não foi dado todo o apoio aos atletas e feito o policiamento da prova parte do Grupo desportivo da Casa do Povo antes, durante e após a prova!
- O Tonito não foi servir o lanche!
- A cerimónia das medalhas não foi feita com a aparelhagem da Casa do Povo!
- O apoio do INATEL não veio via Casa do Povo, uma vez que é a única entidade em Casegas filiada neste organismo!

(clique na imagem para aumentar)

- Aquela rampa assinalada a vermelho, que vai desde a rua até ao interior da Casa do Povo, não existiu; não foi feita expressamente para que dois atletas, subissem e descessem uma vez; não demorou a fazer, um dia de trabalho ao dirigente da Casa do Povo, César Pires (que abdicou da sua vida profissional para assumir as suas funções na Casa do Povo, após lhe ter sido posto o profissionalismo em causa e exigido inclinação de 6% estipulada na lei, por parte do "organizador")! Mas que foi feita sim, pelo Divino Espírito Santo com o Jorge Neves a dar-lhe serventia!

Francamente...há gente que cospe na sopa e gosta de andar a trepar por cima de tudo e de todos e depois acaba a dar tiros nos pés!
Mas há mais marés que marinheiros...

Em relação aos patrocínios, tenho apenas a dizer que a Casa do Povo, não teve nada a ver com dinheiros e é completamente alheia ao seu destino.
E mais não digo, porque tenho mais respeito pelas instituições que pelos vistos algumas pessoas (não digo aqui no blog)!

Informação adicional: O evento contou com a participação de 5 atletas

Há que tratar as instituições com o respeito que lhes é devido e defender o seu bom nome.

Noticias de Casegas

Em Casegas
Demonstração de atletismo em cadeira de rodas
No próximo dia 9 de Junho decorre em Casegas uma Demonstração de Atletismo em Cadeira de Rodas que conta com a organização de Jorge Neves, ex-atleta portador de deficiência visual e motora.

Com o apoio da Câmara Municipal da Covilhã, da Junta de Freguesia de Casegas, do Inatel e dos Bombeiros Voluntários e da GNR da Covilhã, este evento é o primeiro do género nesta localidade.

Jorge Neves, ex-atleta, dedica-se agora à organização de provas que permitam à população da sua terra-natal ter um contacto mais directo com o desporto adaptado e com os atletas portadores de deficiência.

Já com duas provas organizadas, kick-boxing e BTT, Jorge Neves prepara-se para apresentar anualmente a Casegas uma modalidade diferente. “Este é o terceiro evento que organizo, no futuro vou trazer a Casegas o futebol para cegos, o basquetebol em cadeira de rodas, a esgrima em cadeira de rodas e o ténis em cadeira de rodas” salientou.

Fonte: Infordesporto

Ninguém tirou fotos?

segunda-feira, junho 11, 2007

Sebastião, O GRANDE! Ao vivo na CPC


Blues dedicado ao Homero, o Carteiro do Saramago



Balada do Desajeitado

Um concerto memorável para toda a gente!

Desculpem o som, mas a minha maquineta não dá mais, apenas para recordar...
Temos de repetir isto!

Correio do Leitor

SANEAMENTO BÁSICO

Nos últimos dias verifiquei que junto à Ponte se construiu uma caixa de intercepção do emissário de esgoto com uma saída aparentemente directa para a ribeira.

Para quê e porquê, é uma pergunta que se impõe?

Parece-me que os responsáveis pela Junta de Freguesia, tão apressados em explicações e acções quando os interesses são mais restritos, se mostram lestos quando o interesse é colectivo.

Preocupado, como muitos outros Caseguenses, com o deficiente funcionamento da ETAR que provoca desequilíbrios no sistema, procurei informar-me.

E que me foi dito?

Que estão a construir um descarregador de tempestade.

É certo que em dias de maior pluviosidade é frequente a saída nas caixas entre a ponte e a estação de tratamento (ETAR), de águas da chuva misturada nos efluentes, certamente pela ocorrência de infiltrações em zonas mal tamponadas, mas em grande parte porque de forma “ilegal” muitos residentes ligaram à rede de esgotos as descargas de águas não residuais.

Tecnicamente é essa uma das formas de resolver o problema da afluência de águas pluviais na rede de esgotos/ETAR, mas será que a ligação à ribeira é feita em conduta sifonada para não deixar sair os cheiros?

Terá a caixa feita no centro da via, em blocos e vigas de pré-esforçado, resistência suficiente para suportar o peso das viaturas?

Saberão também os responsáveis pela Junta de Freguesia que a Águas da Serra empresa que explora e faz a manutenção da ETAR, traz de outras Freguesias cisternas de águas residuais que despeja na nossa estação de tratamento e que vão parar à ribeira sem o devido tratamento?

SÓ NOS FALTAVA MAIS ESTA.

Por "Joaquim até ver"

Obrigado Joaquim até Ver! Afinal Casegas não é uma terra só de comodistas, alguém se vai preocupando TAMBÉM COM OS OUTROS!

sábado, junho 09, 2007

A não perder, hoje às 18 na Casa do Povo

Sebastião Antunes, vocalista dos QuadrilhaO objectivo de Sebastião Antunes, mentor do que em tempos foram os "Peace Makers" e que, desde 1991, deu origem ao grupo Quadrilha, é fazer a fusão entre formas próprias da tradição portuguesa e uma certa sonoridade Celta. Por outro lado, tem uma preocupação - fazer chegar a música popular às classes etárias mais novas. Segundo o próprio, é muito importante que os jovens se identifiquem com a sua música e, acima de tudo, que sintam que é algo que lhes pertence.
Saiba mais aqui

Isto de vender colchões não é para todos!

(clique no cartaz para aumentar)

Será que "o tal" paraíso é em Casegas ou Badajoz e nós não sabíamos?

sexta-feira, junho 08, 2007

Os estudos do Eugénio

(clique para aumentar)
(clique para aumentar)
(clique para aumentar)
Vou passar a divulgar os e-mail de um Homem, com quem tive a honra e privilégio de trabalhar, lutar e de ser formando em Portalegre há uns anos atrás.
Verbalmente, o Eugénio era um péssimo comunicador, sempre a olhar para o chão, notoriamente tímido, mas exímio e "marrão" na área da Economia e da Segurança Social. Uma mente brilhante e notável!
Reparem como áreas normalmente "chatas" para leigos, são exposta de forma interessante e acessível por uma pessoa simples que se coloca no lugar de quem é lesado e talvez por esta ultima, os estudos do Eugénio, além de serem minuciosos, sejam vistos de forma diferentes e tenham fiabilidade reconhecida. Contrariamente a muito estudo e /teses que são publicadas, elaboradas de forma a que, quanto menos percebermos das coisas, tanto melhor, Eugénio Rosa faz o inverso, elabora estudos para nós, os leigos, o cidadão comum.

Até tenho guardado estes e-mail para mim, mas a forma como estes gajos da banca pilham tudo e todos, já me começa a irritar e logo numa fase em que não ando propriamente saudável de finanças. Para o raio que os parta mais tanta gatunagem!!!
Vejamos, e esta é a minha opinião:
Quem puxa os cordelinhos neste país?
- O governo!
Até aqui tudo bem, e por isso vivemos em "democracia" (tem dias).
Quais são os sectores mais rentáveis?
- Banca, seguradoras, energia, etc:
Até aqui, continua tudo bem...A "coisa" azeda-se é quando olhamos para as bancadas da Assembleia da Republica...e quem é que lá vemos!?
- Os mesmos marmanjos, gestores e donos da banca, das seguradoras das empresas de energia, etc.
Ora assim é fácil governar(em-se), basta para isso, criar dificuldades às pessoas (e em Portugal nem precisam de suar muito), para irmos todos que nem uns cordeirinhos e sem bufar, contrair empréstimos ao banco mais próximo, em muitos dos casos numa espiral sem fundo!
E de cara alegre! Chupam-nos até ao tutano e com ar de instituição de caridade!
Ai...se eu soubesse que as mães destes senhores têm alguma coisa a ver com isto, agora chamava-os um nome e tantos outros, que faria qualquer texto do nosso Almocreve, escrito no mais puro e profundo calão, parecer uma passagem bíblica.

Houvessem muitos Eugénios!

terça-feira, junho 05, 2007

Quem escreveu isso é um génio·


ANTES DA POSSE
Nosso partido cumpre o que promete.
Só os tolos podem crer que
não lutaremos contra a corrupção.
Porque, se há algo certo para nós, é que
a honestidade e a transparência são fundamentais.
Para alcançar nossos ideais
Mostraremos que é grande estupidez crer que
as máfias continuarão no governo, como sempre.
Asseguramos sem dúvida que
a justiça social será o alvo de nossa acção.
Apesar disso, há idiotas que imaginam que
se possa governar com as manchas da velha política.
Quando assumirmos o poder, faremos tudo para que
se termine com os marajás e as negociatas.
Não permitiremos de nenhum modo que
nossas crianças morram de fome.
Cumpriremos nossos propósitos mesmo que
os recursos económicos do país se esgotem.
Exerceremos o poder até que
Compreendam que
Somos a nova política.
---
DEPOIS DA POSSE
Basta ler o mesmo texto acima, DE BAIXO PARA CIMA


segunda-feira, junho 04, 2007

Cumpardes, vizinhs e alieds!

Escrito pelo meu amigo Zé!

"Tenho-me mantido calado em relação ao desaparecimento ou rapto da menina inglesa, porque acho que há gente a mais a dizer alarvidades sobre o assunto.
Tenho-me abstido de manifestar a minha repugnância pelo procedimento asqueroso da
imprensa inglesa em relação à actuação da polícia portuguesa, porque acho que vozes de burro não chegam ao céu.
Tenho optado por não manifestar o meu desacordo pelas conferências de imprensa que a PJ dá em inglês, num abjecto acto de subserviência em relação a esta classe de gente (e gente não é, certamente, que gente não procede assim), porque reconheço que do alto da sua arrogância, apenas têm contribuído para revelar ao Mundo a mentalidade de merda que existe por dentro daquelas cabecinhas loiras.
Agora o que não vou engolir é que um filho de puta inglês, que se diz ser o arquitecto da casa onde mora o principal suspeito, que reside em Portugal há cerca de trinta anos e não fala uma palavra de português, tenha o descaramento de criticar a GNR porque, segundo afirma o cretino, tentou dar informações pelo telefone e foi atendido por um agente que não falava inglês. Pior ainda, disse a besta com todo o ar de desdém que lhe coube naquelas fuças de porco inglês, foi quando, algumas horas depois voltou a telefonar e quem o atendeu sabia apenas algumas palavras da língua de sua majestade, a rainha da casa da maior pouca vergonha a que o Mundo assistiu nos últimos anos.
Estes ingleses não se mancam, mesmo.
Estes ingleses merdosos, que já no tempo da guerra afirmavam que a Europa estava completamente isolada pelo nevoeiro, estes ilhéus provincianos que em pleno século XXI continuam a conduzir fora de mão e a alimentar uma realeza de putaria, estes negreiros sem vergonha que espalharam e deixaram escravatura e racismo pelos quatro cantos do Mundo, estes arruaceiros de merda que espalham o terror pelos campos de futebol da Europa, têm o topete de viver trinta anos num país que lhes oferece um sol radioso, como eles nunca imaginaram existir, sem se darem ao trabalho de aprender uma palavra da nossa língua, ainda têm tempo de antena num canal de televisão nacional para falarem mal de nós?
Mas afinal que trampa de república de bananas é esta, que beija a mão a quem nunca respeitou um aliado, que parece ter esquecido o célebre mapa cor-de-rosa, com que nos roubaram metade de África, e fica impávida e serena, a ouvir os desabafos destes alarves, sem ao menos um protesto oficial.
Por onde é que anda o "gasolineiro" de Boliqueime quando a honra do país necessita ser defendida?
Onde é que está o "inginheiro" feito à pressa, sempre tão lesto a acariciar os "tomates" aos amigos trabalhistas?
Já não resta nem um pouco do orgulho nacional?
Depois admiram-se que meia dúzia de gatos-pingados, apreciadores de concursos televisivos, reabilitadores de apresentadeiras escorraçadas da política, façam do maior ditador do século vinte, o maior português de sempre.
Ao fundo com a Inglaterra e puta que pariu os ingleses!"

Dia Mundial da Criança na Casa do Povo


Os desenhos do concurso...
Monstros e companhia
Os prémios oferecidos pela Ti Casa do Povo
Os jogos no lameiro
Almoço
Balões para todos, antes do regresso à escola
(clique sobre as fotos para aumentar)

sábado, junho 02, 2007

MORREU O PADRE ANTÓNIO

O “TI CURA”, como o tratava o António Padeiro

O primeiro pensamento que me veio à memória ao conhecer a triste notícia, foram as palavras que proferiu na missa do meu casamento no último dia do ano de 1977. Tinha morrido Charlie Chaplin “Charlot” no dia de Natal desse mesmo ano e relembro que o Padre António, durante a homilia, recordou o ingénuo vagabundo de bengala e chapéu de côco, galanteador irresistível, como um homem que lutou desde criança para conquistar o pão para comer, que venceu, que viu a glória do sucesso, mas que nunca vendeu a sua dignidade e se referiu a ele dizendo que morreu um fautor da paz.

Chaplin disse que “O Homem não morre quando deixa de viver, mas sim quando deixa de amar…” O Padre António não morreu, porque “a morte não é o fim. Não é sequer o princípio do fim. Mas é o fim do princípio” (Winston Churchill). Não há solidão mais triste e pungente do que a do homem sem amigos e por isso amou a vida e granjeou amizades por onde passou, o que em muitas circunstâncias testemunhei. Ao sacerdócio, juntou e abraçou a carreira de educador, iniciada na então Telescola de Casegas, facto que a minha mulher há pouco me recordou, deixando escapar umas lágrimas mais furtivas, lembrando que apenas resta ela dos primeiros quatro professores do Posto de Telescola, e que foram: o saudoso Professor Zé Matos e a mulher Dona Carmo, prematuramente desaparecidos, e o Padre António que também agora nos deixa.

Esforço-me por remexer no baú das minhas recordações de infância e são ténues as memórias que guardo do Padre António. Aparecem bem vivas mais tarde e revisito-as hoje com saudade e pesar.

Separam-nos, é certo, 17 anos de vida, e a boa vizinhança dos meus avós maternos com os Pais e Tio do Padre António, vivida diariamente no “Favacal”, fez crescer em mim uma amizade “quase” familiar pela sua família.

Estávamos nos finais dos anos 60, início da década de 70, quando o Padre António regressado de Angola onde serviu o exército como capelão, regressa à Terra onde fixa residência. Traz o saber, e a força das convicções e juventude. Sacerdote “moderno” envolve-se no quotidiano da Aldeia. A sua participação cívica, envolve-o no dia a dia da Comunidade que anima na organização de festas, na Liga de Amigos, no estímulo à construção do Monumento em Honra do Anjo da Guarda, e leva-o mais tarde à Presidência da Casa do Povo e da Junta de Freguesia assumindo claramente as suas opções políticas que não misturava com a condição de sacerdote.

Foi um acérrimo defensor da liberdade e contribuiu para a construção do Estado Social que a Democracia permitiu edificar.

Sem temer a hierarquia eclesiástica conservadora, e o julgamento crítico arraigado nalguns extractos da População e sobrevivente aos 40 anos de obscurantismo, convivia activamente com a juventude que então enchia o Salão, a Casa do Povo e os cafés das Aldeia e que escolhia a Fonte de Baixo, a Eira, o Adro, a Vinha, o Marco e a Ponte para as suas tertúlias e convívios.

Tantas e tantas noites no “forno” do António Padeiro a fortalecerem uma grande amizade.

Quantas vezes o nascer do sol nos surpreendeu na “pipa” do Ti Zé Marcos, onde bebericando um copo, gostava encontrar-se com os amigos após o cumprimento das obrigações sacerdotais que lhe foram confiadas na Mata da Rainha e mais tarde em São Martinho e Barroca do Zêzere.

Eram dele, o primeiro gira discos e gravador de “fita” que vi, e que o irmão e amigo, Dr. João Alberto “martirizava” num constante movimento, com a música de Zeca Afonso, do Adriano, do Zé Mário Branco, e tantos outras que ainda conhecemos como os ”anos 60.”

Foi dum duplicador que possuía, accionado manualmente através duma manivela, que saíram os primeiros “panfletos e propaganda eleitoral” que distribuímos à População. Muitos dos álbuns de fotografias de alguns casamentos, tiveram-no como fotógrafo de circunstância, ( o “Rosel” como o tratava de forma amistosa o António Padeiro) e foram feitos com a sua “Pentax”, ajudado num ou outro caso por mim e pelo Zé Luís Branco.

São agora duas e meia da manhã e um turbilhão de recordações e sentimentos fazem-me acreditar que a viagem mais importante que podemos fazer na vida, é encontrar pessoas pelo caminho.

Muitas tenho encontrado.

Casegas perdeu hoje um filho ilustre, um Homem bom e um amigo.

Até sempre Padre António.

Casegas 31/05/2007

César Araújo Craveiro