Ocorreu um erro neste dispositivo

segunda-feira, agosto 25, 2008

Caminheiros do Demo...

Este é o Filipe, o pioneiro das caminhadas em Casegas. Hà cerca de 20 anos caiu, bateu com a cabeça e consegui enganar os primeiros a subir a Serra da Estrela desde Casegas. Foram buscar "picas" ao Tonho Padeiro e andor...
(8 horas e meia depois e 24km em linha recta. Fiz questão de levar uma pequena representação do Núcleo de Caminhadas da CPC.
Da esquerda para a direita: Henrique, Christian, Fernando, Eu, Olivier e Filipe)

Assim nos chamou o meu amigo, companheiro das andanças e camarada meio índio, Ricardo da Velha Gaiteira:
"-Eh, caminheiros do demo!"
Achei piada e adoptei, pois esta caminhada é mesmo um inferno. Não sei o que me leva repeti-la sempre, apesar de ter prometido ao meu primo, amigo companheiro e camarada Filipe, que desta é que arrumei mesmo as botas, como sempre...O que é certo é que na 2ª vez que nos metemos nessa aventura, em meados da década de 90 (mês de Abril, o ano não consigo precisar), vimos no meio da tempestade a tal amiga de preto com a gadanha às costas...Fomos salvos por uma pequena bússola porta-chaves, que trazia por acaso na mochila que nos indicou o nosso N-NE, e desde essa data, nunca mais um voltou lá sem outro, algo que não consigo explicar. Nunca mais nos separámos...

(não tenho a certeza se esta é umas das construções do João pereira, construídas entre Casegas e a Serra. Olha, se forem, escusas de ir verificar esta João. Está em óptimo estado. Esta dista a cerca de 5horas de caminhada)

Olá! Nós somos o Filipe e o Rui Jorge somos masoquistas e temos um clube de sado-masoquismo que entra em actividade de 3 em 3 a 4 em 4 anos por volta das duas da manhã, tipicamente bem bebidos e sem dormir.
Procuramos
frustrantemente angariar novos masoquistas para o nosso clube sem sucesso...Bem, temos o Olivier que já repetiu a "dose", mas o Olivier não conta porque é maluco. Depois de subir a encosta mais difícil, a ultima, e dizer "Porra, já não me lembrava que esta era tão dura", passados minutos dizer: "para a próxima vimos a correr!". Dá para ver que o rapaz não é normal!

Prometo mais fotos para breve e mais algumas histórias desta espécie de "safari de malucos" . Provavelmente as mais espectaculares alguma vez aqui publicadas. Fotos estas que me deram algum alento para ir mais esta vez, uma vez que nunca havíamos feito qualquer registo.
Esta custou-me bastante...passei o caminho a arrotar a chouriça...

sexta-feira, agosto 22, 2008

Vai Tudo Abaixo (best of Série III)



Á conversa com Padre Mário. Cavaco e divórcios.



Estou espantado com a leviandade com que o bispo Carlos Azevedo, porta-voz da Conferência Episcopal Portuguesa e Auxiliar do Patriarcado, acaba de acusar os deputados da Assembleia da República de "leviandade", por terem aprovado, com a legitimidade que o mandato lhes confere, uma lei que introduz grandes e significativas alterações à actual lei do divórcio, e que ontem, s
urpreendentemente, foi vetada pelo presidente Cavaco, com razões e argumentos retrógrados e moralistas que vão, obviamente, ao encontro da hierarquia católica, da qual ele é, notoriamente, desde a sua meninice, um dos seus mais fiéis súbditos, juntamente com a sua mulher primeira dama, um e outra, neste momento, mais do que empenhados - este veto não podia ser mais revelador - em garantirem um novo mandato presidencial de cinco anos à frente do país, quando o que agora está em curso chegar ao seu termo. "Ainda bem - diz o bispo Carlos Azevedo, na sua hipócrita e leviana reacção ao veto presidencial - que o Presidente da República teve em conta o maior bem das pessoas e é uma consciência ética, crítica da leviandade com que muitas vezes o Parlamento produz leis". O país ficou, assim, a saber que, no sentir do colectivo dos bispos católicos portugueses, o Parlamento português tem sido "muitas vezes" leviano, no acto de produzir leis que regulam a o nosso viver nacional em sociedade. E, pelos vistos, "muitas vezes". A afirmação é gravíssima e poderá abrir uma guerra entre a hierarquia católica e o Estado português. Uma guerra que eu, pessoalmente, saudaria, porque poderia vir a pôr termo - é o divórcio que eu mais desejo - a esta vergonhosa mancebia entre o Estado português e a Igreja católica que vem já desde 1940, quando o ditador Salazar assinou uma Concordata com o Estado do Vaticano. Esse, sim, seria um divórcio ético e exemplar que agradaria muito a Deus, o de Jesus, e que libertaria a Igreja, toda a Igreja católica, para a fecunda profecia martirial e duélica que lhe cumpre viver / protagonizar na História, em vez de apenas insistir neste tipo de denúncias pontuais, para cúmulo, feitas sempre em busca de mais e mais privilégios eclesiásticos, qual deles o mais nojento. Regressaríamos, então, com esse divórcio - e que alegria a minha como presbítero da Igreja do Porto, se tal sucedesse! - a 1911 e à Lei da separação entre a Igreja e o Estado, a única situação verdadeiramente saudável para o Estado português e para a Igreja católica em Portugal. Mas isto já não quer o colectivo dos bispos católicos portugueses. A consciência ética de que fala o bispo Carlos Azevedo, em nome de todos eles, não é deste quilate. Antes fosse. Não passa de uma ética meramente oportunista, à caça de privilégios perdidos. No fundo, o que o colectivo dos bispos católicos portugueses deseja é o regresso em força à velha Cristandade que durou até à implantação da República - clero, nobreza e povo, lembram-se?! - em que os bispos e os seus párocos tinham no Estado o seu braço secular, sempre pronto a fazer cumprir as suas leis, as suas decisões canónicas, o seu Moralismo infantilizador, uma espécie de sacristão sempre disponível para executar a soberana vontade do clérigo no altar, a segui-lo como cão fiel para todo o lado e a obedecer-lhe sem nunca lhe refilar, sem nunca lhe ladrar, sob pena de poder acabar excomungado! O colectivo dos bispos católicos portugueses e os bispos da Igreja católica em geral ainda não sabem viver numa sociedade secularizada, laica, como é hoje a nossa e, infelizmente, ainda muito pouco. Como tal, não perdem uma única oportunidade, para tentarem fazer a sociedade regressar à velha Cristandade que, por sinal, jamais deveria ter existido. O bispo Carlos Azevedo, neste particular, é por demais reincidente e parece que já nem tem emenda. Desde que fizeram dele bispo auxiliar do Patriarcado e porta-voz da Conferência Episcopal Portuguesa e responsável por outras ninharias eclesiásticas mais, o Poder subiu-lhe à cabeça e, de homem da mística e da espiritualidade que era e que eu pessoalmente conheci e apreciei, tornou-se no que hoje está aí bem à vista de toda a gente. Digo-o com tristeza. Melhor ele tivesse continuado pelo resto da sua vida na condição de presbítero, discreto acompanhante espiritual maiêutico das pessoas, um ministério em que foi altamente fecundo. Agora, como bispo-poder eclesiástico, é de uma aflitiva esterilidade, como os espinheiros, porque tudo o que diz e faz tem a marca do Poder, do Privilégio, da Arrogância, não tem a marca do Espírito, o de Jesus. Oxalá ele me oiça e tenha a simplicidade de regressar à alegria e à paz com que anteriormente sempre se apresentava vestido. Quanto ao veto de Cavaco e da sua primeira dama, provavelmente, soprado por algum clérigo com mais entrada na vida do casal católico que ambos fazem questão de dizer publicamente que são, espero que o Parlamento saiba manter-se firme no essencial da lei que já aprovou. Não faça como o primeiro-ministro Guterres que ia por tudo o que lhe dissesse / soprasse o seu confessor Milícias, com um viver muito pouco franciscano, ou não fosse totalmente verdade que o hábito só por si nunca faz o monge, no caso, o franciscano. Em vez disso, saiba resistir com audácia e lucidez a mais esta investida da hierarquia católica, via presidente Cavaco e sua primeira dama. E, já agora, aproveitem também a ocasião para dizerem ao bispo Carlos Azevedo e ao colectivo de bispos de que ele é o porta-voz que, se quiserem ter voto nesta matéria do divórcio civil, comecem por reconhecer àquelas e àqueles que um dia, levados pela pressão da tradição, do medo, do moralismo e, também, pela vaidade, realizara, o chamado casamento canónico ou pela Igreja e, por via disso, ficam para sempre condenados a ter de viver amarrados um ao outro, mesmo que o casamento se tenha convertido num autêntico inferno para ela e para ele, assim como para os filhos e as filhas de ambos. Digam-lhes que, se quiserem ter voto nesta matéria, comecem, primeiro, por acabar com o casamento canónico, em favor do Sacramento do Matrimónio sem a prepotente ingerência do pároco da noiva ou do noivo, e, depois, ainda reconheçam, também no interior da Igreja, que aquilo que o Amor já separou, o Poder eclesiástico não continue, teimosa e sadicamente, a manter unido. Enquanto não forem capazes de um nível ético deste quilate, então que, pelo menos, permaneçam calados e deixem a Sociedade seguir o seu curso. Na Liberdade, rumo à Maioridade Humana!

Padre Mário

terça-feira, agosto 19, 2008

Corrigenda

Por falha minha, ao chamar ao grupo "de bombos", a tendência é para que se escolham nomes relacionados. Não sei se a ideia de todos é para que se mantenham só os bombos. Eu pessoalmente gostaria que evoluísse para um grupo etnográfico, que abarcasse mais instrumentos tradicionais e outros, inclusive de fabrico próprio (bem, ando para fazer uma zamburra já há meio ano e ainda não lhe peguei hehe!).
Daí ter escolhido alguns nomes que não têm propriamente a ver com bombos.

quarta-feira, agosto 13, 2008

Concurso de nomes para o grupo de bombos

Escrever sugestões nos comentários clicando no "urra aqui"
A moderação de comentários foi reactivada, uma vez que o primeiro comentário feito ao post anterior foi feito por uma besta, uma das do costume que anda por cá de férias. Ando a pensar seriamente em desafiar o Jorge Pelicano a vir para cá realizar o seu próximo filme "Ainda há Tacanhos".

Venham de lá então esses nomes!

segunda-feira, agosto 04, 2008

S.O.S. pela cultura e tradiçôes

(esta imagem é uma brincadeira, logo tratamos de um logótipo "em maneiras" só para o grupo)

Depois de várias investidas e contactos desenvolvidos junto dos proprietários dos bombos existentes em Casegas após este post, não consigo manifestar outro sentimento que o de frustração. Deste modo passo a divulgar os nomes dos "Proprietários dos bombos" cuja disponibilidade é meritória de menção e louvor:
Zé da Moita
Tonho Azinheiro
Chico (C.Branco)
Joaquim Nunes
Não sei se se me escapou algum(a recordar-me logo adicionarei mais algum à lista), mas pelo menos estes estariam disponíveis para ceder ou doar os bombos à Casa do Povo, mas lamentavelmente ao que se consta não se consegue quantificar a quota que os proprietários têm nos bombos, logo basta uma não cedência para bloquear o processo. Foi a leitura que fiz da situação e o sucedido.
Mas não desistiremos por isso.

Deste modo lançamos dois desafios:
1- Pedido individual aos proprietários dos bombos, ou alguém que tenha um em casa, da cedência destes membranofones ou outros instrumentos tradicionais para que o grupo possa arrancar com o mínimo de condições.
Uma segunda hipótese: A casa do povo já tem encomendada um caixa "como deve de ser" ao Telmo dos Tocavakalhar e já está a ser fabricada, mas não tem condições para aquisição de pelo menos 2 Bombos.
Na semana passado fui a Silvares com o Telmo comprar um pífaro ao Ti Paulo de Silvares, que tem em stock dois bons bombos por 150€ cada, o que é um excelente preço, tendo em conta que um bombo custa em qualquer sitio, entre 200 a 250€. Se alguém pudesse contribuir ou adquirir estes bombos, a CPC agradecia e os putos também.

O 2º desafio é...(ponho um post a seguir para não dar confusão). Tem a ver com um concurso para se escolher um nome para o grupo. Deixo já a minha proposta, uns nomes que o meu avô me chamava, o que não era nada justo, uma vez que desde os 4 anitos lhe desamolava os pregos enferrujados (que arrancava e guardava na lata do leite em pó ou cacau Molico ou Milo, já não sei.. ) em cima do torno ou da bigorna.
- Uma nos dedos, uma no prego, uma nos dedos uma no prego...também lhe podia dizer que que os martelos que ele fazia é que eram rombos heh!

Então ai vai o meu contributo:
"Estraga Albardas Rompe Silhas" (que se dizia a quando estragávamos ou rompíamos alguma coisa) ou uma frase muito utilizado pelos antigos: Dá-lhe "Até ao diabo dzabunda" (que queria dizer "dá-lhe até não poderes mais") o mal da frase é que era dita quando alguém estava a levar porrada em vez de um bombo heh!
Ainda a ouvi algumas vezes, pois também fiz das minhas, então quando me juntava com o Noel, era cá uma dulpa, mas também as levou da Ti Alice, não fui só eu. Não era só sandes de manteiga em papos-secos que que o Carlitos trazia dentro do Kispo azul para a malta e escavalgar num cavalito sem rodas pela vinha abaixo ou jogar matrecos e umas futebolas "à coca-cola" com o Tino(não dava para as bolas, a Ti Brasita e a Ti Piedade da Vinha confiscavam-nas)...de vez em quando levavam umas chineladas e não piavam!

Sugiram nomes que depois ponho um quadro de votação na sidebar.

Já sabem que para comentar, é só clicar ao fundo dos posts em "urra aqui". Aguardamos noticias.

Saudações associativas a todos os Caseguenses de bem

Rui Jorge