Ocorreu um erro neste dispositivo

sábado, fevereiro 27, 2010

POEMA DA FODA

Neste Portugal imenso
Quando chega o verão,
Não há um ser humano
Que não fique com tesão.
É uma terra danada,
Um paraíso perdido.
Onde todo mundo fode,
Onde todo mundo é fodido.
Fodem moscas e mosquitos,
Fodem aranhas e escorpiões,
Fodem pulgas e carrapatos,
Fodem as empregadas com os patrões.
Os brancos fodem os negros
Com grande consentimento,
Certos 'amigos' fodem as noivas
Até quase à hora do casamento.
General fode o Ministro,
Autarca a ordem de prisão.
E os gajos da Assembleia da República
Vivem fodendo a nação.
Os frades fodem as freiras,
O padre fode o sacristão,
Até na seita do crente
O pastor fode o irmão.
Todos fodem neste mundo
Num capricho que alivia.
E os danados dos VIP'S
Fodem os putos da Casa Pia.
Parece que a natureza
Vem-nos a todos dizer,
Que vivemos neste mundo
Somente para foder.

E você, meu nobre amigo(a)
Que agora se está a entreter,
Se não gostou da poesia
Levante-se e vá-se foder!!!

Autor Desconhecido

Também pudera, se fosse conhecido, estava fodido...

Excursão às Amendoeiras em Flor

sexta-feira, fevereiro 26, 2010

Eles também andem aqui...Água do concelho da Covilhã aumenta 8%

Num Concelho com tanta água e num ano de tanta pluviosidade o que justifica os aumentos verificados na factura?


Só a ganância e o lucro fácil podem justificar aumentos de 8%. 
Aqui está um dos efeitos da venda de 49% da ADC a uma das empresas do grupo Somague que, lembre-se, também tem a concessão do tratamento das águas residuais (esgotos) - Águas da Serra e os silos do Pelourinho e shopping do Sporting -Parq C


(Quem administra a Covilhã ?????)


Quando lutámos contra a privatização tinhamos a noção de que iríamos pagar a água mais cara. Mas.... nem todos perceberam isso. Contudo recolhemos 6.000 assinaturas contra o negócio. Apesar disso o Sr Pinto, utilizando a maioria PSD, concretizou o negócio. Ficou com uns milhões de Euros para obras de utilidade e necessidade duvidosa e ....assim se renovam mandatos à custa da venda do património concelhio e do esforço da população que se traduz,neste caso, na factura de água.


É preciso e necessário informar e denunciar mais este "mete a mão no bolso"na população do Concelho quando "o cenário" montado pelo grande capital que nos desgoverna é o de congelamentos de salários e de reformas.


É necessário dizer ao Sr Pinto que já basta de atropelos e que já estamos fartos da sua politica municipal,assim como dos outros a nível nacional, desubjugação aos interesses dos privados lixando as populações.


Vitor Manuel Reis Silva, Eleito do PCP na Assembleia Municipal da Covilhã

Mais? Aqui (clicar)

quinta-feira, fevereiro 04, 2010

Censura. Eles andem aí....

Terça-feira dia 26 de Janeiro. Dia de Orçamento. O Primeiro-ministro José Sócrates, o Ministro de Estado Pedro Silva Pereira, o Ministro de Assuntos Parlamentares, Jorge Lacão e um executivo de televisão encontraram-se à hora do almoço no restaurante de um hotel em Lisboa. Fui o epicentro da parte mais colérica de uma conversa claramente ouvida nas mesas em redor. Sem fazerem recato, fui publicamente referenciado como sendo mentalmente débil (“um louco”) a necessitar de (“ir para o manicómio”). Fui descrito como “um profissional impreparado”. Que injustiça. Eu, que dei aulas na Independente. A defunta alma mater de tanto saber em Portugal. Definiram-me como “um problema” que teria que ter “solução”. Houve, no restaurante, quem ficasse incomodado com a conversa e me tivesse feito chegar um registo. É fidedigno. Confirmei-o. Uma das minhas fontes para o aval da legitimidade do episódio comentou (por escrito): “(…) o PM tem qualidades e defeitos, entre os quais se inclui uma certa dificuldade para conviver com o jornalismo livre (…)”. É banal um jornalista cair no desagrado do poder. Há um grau de adversariedade que é essencial para fazer funcionar o sistema de colheita, retrato e análise da informação que circula num Estado. Sem essa dialéctica só há monólogos. Sem esse confronto só há Yes-Men cabeceando em redor de líderes do momento dizendo yes-coisas, seja qual for o absurdo que sejam chamados a validar. Sem contraditório os líderes ficam sem saber quem são, no meio das realidades construídas pelos bajuladores pagos. Isto é mau para qualquer sociedade. Em sociedades saudáveis os contraditórios são tidos em conta. Executivos saudáveis procuram-nos e distanciam-se dos executores acríticos venerandos e obrigados. Nas comunidades insalubres e nas lideranças decadentes os contraditórios são considerados ofensas, ultrajes e produtos de demência. Os críticos passam a ser “um problema” que exige “solução”. Portugal, com José Sócrates, Pedro Silva Pereira, Jorge Lacão e com o executivo de TV que os ouviu sem contraditar, tornou-se numa sociedade insalubre. Em 2010 o Primeiro-ministro já não tem tantos “problemas” nos media como tinha em 2009. O “problema” Manuela Moura Guedes desapareceu. O problema José Eduardo Moniz foi “solucionado”. O Jornal de Sexta da TVI passou a ser um jornal à sexta-feira e deixou de ser “um problema”. Foi-se o “problema” que era o Director do Público. Agora, que o “problema” Marcelo Rebelo de Sousa começou a ser resolvido na RTP, o Primeiro Ministro de Portugal, o Ministro de Estado e o Ministro dos Assuntos Parlamentares que tem a tutela da comunicação social abordam com um experiente executivo de TV, em dia de Orçamento, mais “um problema que tem que ser solucionado”. Eu. Que pervertido sentido de Estado. Que perigosa palhaçada.
Nota: Artigo originalmente redigido para ser publicacado hoje (1/2/2010) na imprensa.

Este artigo foi censurado no JN