Ocorreu um erro neste dispositivo

quinta-feira, janeiro 10, 2008

Cartas do primo Jumento

Manjedoura! Já tens aqui um comparsa!

O meu primo Jumento também apanhou a dos disticos!


Caro Professor Teixeira dos Santos
Ministro das Finanças e da Administração Pública

Apesar de fumar apoio a decisão de proibir o fumo em recintos fechados, medida que defendi aqui ainda antes do seu governo ter reparado que isso era regra noutros países. Até lhe elogio a coragem pois vai ter que prescindir de muitas receitas fiscais e, ainda por cima, vai ter que pagar pensões e despesas de saúde por mais tempo aos que graças a esta decisão vão “bater as botas” mais tarde e de forma mais penalizadora para o SNS por terem deixado de fumar ou optado por não fumar graças a esta medida. Como sabe os fumadores morrem mais cedo e de forma mais simples do que os não fumadores.

Comido o bolo-rei, mesmo sendo algarvio tive o cuidado de não muito encher a boca para evitar que as bochechas se assemelhassem a uma betoneira evitando ainda o risco de me ficar atravessada alguma fava na goela, fui para o trabalho convencido de que teria de fazer um pequeno sacrifício, mesmo que de vez em quando tivesse que me dirigir a alguma sala de chuto para aliviar a síndrome da abstinência.

Só que quando cheguei à porta do serviço fui confrontado com a proibição de entrar, o autocolante oficial lá colocado diz expressamente “Não fumadores”. Ora, se estou no pleno domínio das minhas capacidades, algo que neste país começa a ser difícil, por “não fumador” entende-se aquele que não fuma e não o que está a fumar. Eu sou fumador, isto é, alguém que fuma, sou-o quando acendo um cigarro da mesma forma que o sou quando não estou agarrado ao instrumento do vício.

Não é fumar que está proibido, o que se proibiu foi a entrada de fumadores, o que é o meu caso. Assim, não me resta outra alternativa senão vir solicitar-lhe que mude o meu local de trabalho para um sítio que não esteja vedado à minha presença, bem como a aquisição de equipamento adequado à instalação do meu gabinete num espaço ao ar livre. Bom, bom seria ir trabalhar para um dos salões do Casino Estoril mas ninguém me convidou nem Vexa estaria disposto a pagar a despesa.

Tendo em consideração as várias possibilidades permito-me sugerir-lhe que me coloque no Terreiro do Paço, junto à estátua de D. José. Para além de ser um local suficientemente arejado para que as minhas baforadas não lhe prejudiquem a inspiração, algo que ainda não perdi a esperança de o ver dar mostras de que a possui, fico em boa companhia. Passados dois anos a aturar governantes pouco dados ao diálogo a companhia do cavalo do D. José permitir-me-á ter alguns momentos de cavaqueira, pois estou convencido que o conhecido equídeo sabe mais de Administração Pública do que muitos dos que ocuparam o seu gabinete. Além disso, como é de bronze produz menos bostas que outros equídeos que costumam frequentar o Terreiro do Paço.
Com os melhores cumprimentos.

O Jumento

lol

1 comentário:

Manjedoura disse...

Se eu tivesses escrito isso neste blog, era cruxificado