Ocorreu um erro neste dispositivo

sexta-feira, abril 30, 2010

Subsidio desemprego não é esmola, é direito.


O governo acabou de apresentar na Concertação Social duas medidas que visam,por um lado, reduzir o subsidio de desemprego e o periodo a que o desempregado na prática tem direito a ele e, por outro lado, transformar Portugal gradualmente num país de salários ainda mais baixos, como mostro neste estudo
Para alcançar isso mais fácilmente tem-se procurado fazer passar a mensagem junto da opinião pública, numa clara operação de manipulação,  de que o susbsidio de desemprego é uma dádiva dada pelo governo, e não um direito adquirido e pago pelos trabalhadores para além dos impostos.

De acordo com a lei actual, 5,22% da Taxa Social Única destina-se ao pagamento do subsidio de desemprego. No periodo 2000-2010, os 5,22% dão uma receita à Segurança Social que estimamos em 18.678,9 milhões de euros, quando a despesa prevista  com o subsidio de desemprego, mas também como os apoios às empresas, ou seja, aos patrões, e com apoios sociais (subsidio social de dseemprego) é de 17.395,8 milhões de euros, portanto verificar-se-á, segundo as previsões do próprio do governo,  um excedente de 1283,2 milhões de euros. E isto apesar da crise.

Espero que este estudo possa ser útil para o esclarecimento desta matéria
tão importante para os trabalhadores..
 
Eugénio Rosa
Economista





(clicar para aumentar)

Bem hajas Eugénio!

1 comentário:

Anónimo disse...

Idem ASpas (o bem-haja)!!!